Vídeos de Biologia

Loading...

quinta-feira, 22 de maio de 2014

22 de maio - Dia do Beijo

Lembram-se dos Benefícios do Beijo?
Pois o Beijo com um Abraço é ainda melhor.


A IMPORTÂNCIA DO ABRAÇO
O fenômeno do abraço é muito desejado e pouco experimentado. Há uma tendência a não dar importância ao contato físico como de fato ele é necessário. Dizem os especialistas que precisamos de seis abraços por dia para não nos sentirmos carentes. É através da estimulação da pele que tanto o homem quanto a mulher chegam ao relaxamento e o alivio do estresse. O contato físico fortalece o sistema imunológico.

Algo especial acontece quando duas pessoas se tocam, porque a linguagem do tato é a linguagem inicial da vida. Por isso, devemos confiar nos impulsos e deixar os dedos estabelecerem uma gostosa conversa sobre a pele.

Nossos braços servem para abraçar, enlaçar. Só que cada abraço tem de ser sentido, vivido. Segundo o psiquiatra e escritor José Ângelo Gaiarsa, é necessário tocar o outro sentindo de verdade esse contato, e não tocar como mera formalidade. Senão você está coisificando o outro. O outro é um ser humano de carne e osso, por isso o gesto não pode ser impensado, mecânico, automático. As pessoas estão cansadas dos gestos automáticos que não reflete nada.

Tocar outra pessoa, é estar além das fronteiras do próprio corpo e ser tocado, imediatamente desperta a consciência que se tem de outra pessoa. 

A primeira impressão de amor, que fica gravada indelevelmente no córtex cerebral da criança, vem do prazer de sugar. Associado à sucção vem o contato corporal, o calor que emana do corpo da mãe. A sensação de estar sendo abraçada.

A criança registra essa impressão na mente e vai pelo resto da vida tentando reconstituir, reencontrar essa sensação. Por isso o ser humano tem necessidade de contato físico, tem fome de abraço. Ele está tentando repetir o prazer que está associado a essa experiência. Portanto, o aprendizado do amor começa aí. As sensações de mamar e amar ficam profundamente interligados e até inseparáveis na nossa mente.

Os gestos traduzem nossos sentimentos, nossas emoções, nossas intenções. Por isso, cada um tem uma função, um significado diferente, dependendo de onde se toca e da forma como se toca. Nesse caso pode distinguir carinho de carícia. Carinho é agrado, gesto de ternura, gesto que protege. Carícia é o gesto que excita, estimula e erotiza. São esses gestos que nos aproximam, nos vinculam ao outro. Entretanto, pode-se alisar abraçar, tocar de forma apressada, impensada, dissociada. Ou pode-se tocar sensualizando, erotizando cada movimento. Cada gesto traduz um sentimento, uma emoção, que provoca uma reação. Se o gesto é indiferente, não manifesta nada, não tem energia nem intenção, você congela o outro e se congela. Se ele for macio, terno, doce, você derrete o outro e se derrete. Se ele for erótico, excitante, estimulante, apaixonado, você incandesce o outro e se incandesce também.

Portanto, os dedos são antenas do corpo. É bom sondar, pesquisar, mergulhar, indo do superficial ao profundo, da periferia ao centro, do habitual ao diferente. Para a sexóloga e escritora Maria Helena Matarazzo, ninguém pode dizer que faz amor, pois o amor nunca se acaba, nunca se apresenta como coisa feita. Sempre há o que fazer e refazer.